Como retardar o Ebola


Entre 2013 e 2016, a África Ocidental sofreu o surto mais grave de Ebola já registrado. Na Guiné, Serra Leoa e Libéria, um total de 29.000 pacientes foram diagnosticados com a doença. Mais de 11.000 pessoas não sobreviveram. A epidemia já passou, mas os pesquisadores estão se perguntando quais estratégias de intervenção seriam mais eficazes para conter a doença.

Criando uma árvore genealógica Ebola Com os dados genéticos de 1.610 amostras de pacientes com ebola, pesquisadores do Instituto Rega em KU Leuven mapearam a propagação do vírus Ebola na África Ocidental entre 2013 e 2016. "Criamos uma árvore genealógica genética da epidemia, tanto no tempo quanto no espaço, com a amostra de DNA mais antiga do início de 2014 na Guiné, uma amostra do vírus quando entrou em Serra Leoa em março ou abril de 2014 e assim por diante". diz o professor Guy Baele de KU Leuven.

Papel chave dos capitais Os pesquisadores conectaram a árvore genealógica da epidemia a outras informações, como informações geográficas e transporte. "O transporte de longa distância, como viagens aéreas por pessoas contaminadas, não parece ter sido importante na disseminação do vírus", diz o pesquisador de pós-doutorado Simon Dellicour de KU Leuven. "Ao contrário do que acontece durante uma epidemia de gripe, a epidemia de Ebola se espalhou devido a viagens de curta distância. A epidemia acelerou quando o vírus chegou a Conakry, Freetown e Monróvia - as capitais da Guiné, Serra Leoa e Libéria, respectivamente. Essas capitais atraíram o vírus, por assim dizer, e desempenharam um papel fundamental na disseminação do vírus. "

Fechando fronteiras internacionais As descobertas também revelam quais medidas políticas podem diminuir com sucesso ou, inversamente, acelerar a disseminação do vírus Ebola. "A Guiné, a Serra Leoa e a Libéria fecharam suas fronteiras internacionais em um momento diferente. Essas intervenções são visíveis em nossa árvore filogenética do vírus Ebola e também vemos como o vírus continuou a evoluir depois. O fechamento das fronteiras foi efetivo. É importante saber que este tipo de estratégia de intervenção tem, obviamente, grandes consequências econômicas e sociais. Medidas preventivas dentro de uma cidade ou distrito teriam feito pouca diferença: acreditamos que uma abordagem coordenada teria teve um impacto maior ".

Potencial para epidemias em curso "Este método de pesquisa nos dá uma visão rápida e precisa dos principais momentos e locais da epidemia de Ebola", continua Baele. "Isso nos ensina onde e quando deveríamos intervir." "Essa informação também é útil para as epidemias em andamento. Por um lado, queremos aplicar essa técnica baseada em inferência filogenética à raiva, uma doença que ainda mata 60.000 pessoas a cada ano na Ásia e na África".

Simon Dellicour, Guy Baele, Gytis Dudas, Nuno R. Faria, Oliver G.Phbus, Marc A. Suchard, Andrew Rambaut, Philippe Lemey. Avaliação filodinâmica de estratégias de intervenção para o surto do vírus Ebola na África Ocidental. Nature Communicationsvolume 9, Article number: 2222 (2018).

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

Rua Frei Manoel da Ressurreição, 1488 Sala 13 - Vila Nova, Campinas - SP, 13073-221

Tel: +55 (19) 3243-3610   +55 (19) 3243-3732 

contato@rigorautomacao.com.br

Horário de funcionamento: Segunda a Sexta das 8h as 12h e das 13h as 17:30h