O Fim das Cobaias na Indústria Farmacêutica?

August 22, 2018

 

Texto: Eduardo Herrmann

 

Entre paixões sentimentais e arroubos ideológicos, os cientistas sofrem com os protestos contra o uso de cobaias.

 

Uma substância é acrescida a outra em um tubo de ensaio. O material borbulha, muda de cor e solta fumaça. O processo é observado por um cientista de jaleco branco e óculos de vidro grosso, que sorri de satisfação com a descoberta de um novo elixir. Em outro sala, um sujeito mal-encarado trabalha em um local escuro, repleto de gaiolas, com animais de várias espécies submetidos a torturas e atrocidades dignas de uma insensibilidade perversa.

 

Os dois estereótipos opostos são tão infantis quanto fantasiosos. A pesquisa farmacêutica necessita de cobaias animais para testar substâncias que podem constituir medicamentos, mas a realidade é bem mais normativa, burocrática, repetitiva e demorada do que se pensa. Qualquer laboratório que faz testes de produtos em animais está sujeito a legislação, regulação, comitês, relatórios, projetos, aprovações e vistorias.

 

Apesar disso, entidades conservacionistas, vegetarianas, ambientalistas e também pesquisadores questionam essa prática. Muitos defendem que os testes com cobaias sejam banidos. Os cientistas contra-atacam, denunciam a de magogia e sugerem que quem defende essa visão, por coerência, não tome vacina nem use medicamento.

Em outubro, manifestantes invadiram (duas vezes) e depredaram o laboratório de pesquisa de fármacos Instituto Royal, em São Roque (SP), para libertar cachorros beagles usados como cobaias, acirrando a controvérsia. O instituto fechou as portas e declarou-se sem condição de prosseguir as pesquisas, reacendendo a pergunta: é possível fazer ciência sem cobaias? Os protestos induziram o governador Geraldo Alckmim, no dia 23 de janeiro, a sancionar o Projeto de Lei 777 que, embora não proíba testes em animais na indústria farmacêutica, veta o uso deles na produção de cosméticos, produtos de higiene pessoal e perfumes no Estado de São Paulo.

 

A descoberta de uma substância medicinal em uma planta capaz de ajudar no tratamento de uma enfermidade, é o início de um processo longo e custoso. Geralmente, os primeiros estudos e testes sobre a eficácia de um fármaco são feitos in vitro, ou seja, em tubos de ensaio, usando sangue ou tecidos dos animais. Na sequência, é preciso averiguar se a substância funciona em um organismo – e aí entram os testes em animais.

Na maioria dos casos utilizam-se camundongos ou ratos de linhagens criadas para pesquisas. É importante que tenham a mesma alimentação e vivam nas mesmas condições térmicas, para comparar os resultados obtidos entre dois grupos. Às vezes, testes precisam ser realizados também com cachorros, macacos e coelhos.

 

Alguns críticos afirmam que, por serem muito diferentes dos humanos, as cobaias animais não podem proporcionar resultados fidedignos. “Até mesmo nossos parentes mais próximos, os chimpanzés, são evolutivamente divergentes de nós por milhares de anos”, observa Kenneth Litwak, doutor em medicina veterinária e diretor do Comitê de Médicos para uma Medicina Responsável, em Washington, nos Estados Unidos.

Para Litwak, só o fato de os animais serem mantidos em cativeiro já os torna pouco parecidos com indivíduos da mesma espécie, e menos ainda com os humanos. “Um prisioneiro que vive numa cela é o mesmo que uma pessoa que vive no campo? Ambos são humanos, sim, mas o preso não tem o mesmo enriquecimento ambiental e social que a pessoa livre”, afirma.

 

Por que, então, não testar fármacos em pessoas? “O Código de Nuremberg, estabelecido em 1947 após o julgamento das experiências médicas nazistas, diz que nenhum produto pode ser testado em humanos sem antes ser provado com segurança em animais. Se não for assim, a ciência não caminha”, diz o professor João Batista Calixto, do Departamento de Farmacologia da Universidade Federal de Santa Catarina e do Centro de Inovação e Ensaios Pré-Clínicos.

A aceitação do Código de Nuremberg inspirou, em 1964, a 18ª Assembleia Médica Mundial a redigir a Declaração de Helsinque, que rege a ética entre paciente e médico. Esta, por sua vez, induziu às atuais Diretrizes Internacionais de Pesquisa Biomédica Envolvendo Seres Humanos, adotada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 1982.

 

Busca de alternativas

Em meio à controvérsia, há um consenso se firmando. Muitos pesquisadores que trabalham com cobaias consideram a prática um “mal necessário” e são favoráveis ao desenvolvimento, à validação e à viabilidade de métodos substitutivos de pesquisa. Mas, infelizmente, a verdade é que, hoje, mesmo com avanços, os métodos alternativos substituem testes com animais só numa pequena quantidade de casos. Além disso, geralmente, são muitos mais caros.

 

“Devido à quantidade e à variedade de pesquisas com animais, é quase impossível dizer quão próximos ou distantes estamos de eliminar a necessidade dessa prática”, afirma Kevin Coll, assistente de pesquisa científica do Fundo para a Substituição de Animais em Pesquisas Científicas, entidade britânica dedicada ao desenvolvimento de técnicas alternativas. Para Coll, o mundo está avançando nessa área, mas é preciso mais vontade política e participação da sociedade. “Quando as políticas de proteção aos animais foram implantadas, os resultados foram imediatos e efetivos. Um exemplo é a recente proibição do uso de animais em testes para cosméticos em países da Europa”, relembra.

 

O cientista lista alguns métodos já validados de pesquisa sem testes com animais, como cultura de célula, estudos baseados em tecidos humanos, imagiologia médica, modelagem computacional, cultura de células-tronco e engenharia genética. “Os avanços em engenharia biomédica podem potencialmente eliminar a necessidade de modelos animais nos experimentos”, conclui. Uma das técnicas promissoras é o conceito humanon-a-chip, sistema que simula o funcionamento de órgãos humanos utilizando chips 3D de cultura celular.

O problema é que, por enquanto, tanto no mundo quanto no Brasil os métodos alternativos são incipientes. A Bracvam brasileira foi fundada em 2012 e ainda não há técnicas validadas de testes alternativos. Atualmente, os laboratórios públicos e privados da Renama encaminham e recomendam a aceitação dos métodos, a Bracvam organiza os estudos e o Concea oficializa e regulamenta as práticas.

 

“Lançamos o primeiro edital de financiamento para pesquisa por métodos alternativos em 2012”, conta Octavio Presgrave. Um dos seus objetivos é implantar métodos já validados de pesquisa no exterior, como o desenvolvimento da pele humana reconstituída. Mas há problemas alfandegários e de importação a superar.

 

Reduzir a necessidade de cobaias nas pesquisas é um caminho consensual, apoiado por muitos cientistas, desde que se garanta a efetiva segurança dos medicamentos. Eventualmente, os métodos alternativos poderão trazer resultados até mais confiáveis. Mas, enquanto a ciência ainda depender dos animais, é com mais informação que deve haver diálogo entre a sociedade, o poder público e os laboratórios.

 

 

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo