A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 4.0 – TUDO VAI MUDAR!

July 24, 2018

 

POR EGLE LEONARDI. POSTADO EM INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

 

Os sensores já estão mudando o mundo! Parece uma afirmação genérica demais, no entanto, esses sensores - de todos os tipos e para todas as aplicações – são a base da internet das coisas (IoT) e da inteligência artificial. Eles já estão interligando todos os sistemas em alta velocidade, mudando as atividades industriais e automatizando tarefas e serviços. Isso é o que está sendo chamado de Indústria 4.0, também considerada a 4ª Revolução Industrial.

 

E você pode estar se perguntando: por que um simples sensor pode mudar tanto a estrutura tecnológica mundial? É porque ele configura a tecnologia de captação de dados que os sistemas utilizam para desempenhar seus papeis nos mais diversos setores industriais.

 

Vale lembrar que a indústria 4.0 deve atingir 21,8% das empresas brasileiras em menos de uma década, como mostra pesquisa divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Atualmente, o percentual é de 1,6%. Essa é a expectativa, mas como a tecnologia não respeita previsões, é muito provável que em metade desse período o setor industrial farmacêutico já mostre números mais relevantes no que se refere à inovação disruptiva e à ‘sensorização’, até mesmo provocada pela lei da rastreabilidade, entre outras.

 

Essas transformações tecnológicas irão, cada vez mais, aumentar a produtividade, reduzir o custo de produção, maximizar a segurança para o paciente e reduzir os preços de medicamentos. Isso implica em tecnologias da informação integradas, fábricas conectadas e processos inteligentes, com capacidade de subsidiar gestores com informações fundamentais para sua tomada de decisão.

 

“A rastreabilidade de medicamentos é um exemplo de iniciativa alinhada com a Indústria 4.0. A conectividade da cadeia de suprimentos deve trazer ganhos a todos, mas ainda não conseguimos mensurar isso”, explica o CEO da T2 Software, Rodrigo Klein, cuja empresa é especializada no rastreamento de produtos. Ele afirma que, no caso dos processos de manufatura, eles seguem a tendência de automatizar tarefas repetitivas que demandam pouco da inteligência humana. “Na minha visão o ser humano vai se concentrar em atividades que dependam de características cognitivas, e não mais de mão de obra intensiva”, complementa ele.

Klein destaca que a quarta revolução industrial está baseada nas seguintes tecnologias:

  • Cloud computing – Barateamento dos custos de serviços de infraestrutura;

  • Internet das Coisas – Redução considerável nos preços dos microcontroladores;

  • Inteligência artificial – Plataformas como serviço;

  • Computação cognitiva – PLN - Homem falando com a máquina;

  • Impressão 3D – Surgimento e barateamento da tecnologia;

  • Big data – Capacidade de armazenar e processar dados em streaming.

“Essas tecnologias vão nos ajudar na medida em que eliminam tempos de paradas não planejadas (IoT), cruzamentos de dados de máquinas, processos e pessoas (data streaming), com a fábrica conectada, vamos descobrir novas formas de produzir (A.I e Analytics) e surgirão novos modelos de negócios (carro como serviço), entre outros”, fala Klein.

Laboratório pioneiro

 

É fato que nenhum setor industrial estará fora dessa onda, o que inclui a indústria farmacêutica de maneira muito importante, com grande potencial para uma evolução disruptiva.

 

Um bom exemplo é o do laboratório EMS, que, em junho deste ano, se uniu a Bosch, empresa multinacional alemã fornecedora de tecnologia e serviços. O foco desse negócio foi alavancar a Indústria 4.0 em suas fábricas no Brasil. A implantação de máquinas conectadas pretende tornar a produção do laboratório mais inteligente e eficiente, trazendo aumento significativo na capacidade produtiva da indústria nos próximos três a cinco anos.

 

A implementação ocorrerá, inicialmente, por meio de um projeto piloto em uma linha de embalagem de medicamentos e no processo de gerenciamento da manutenção. A expansão dessa tecnologia para outras linhas e equipamentos, bem como para o restante da cadeia produtiva, desde a entrada da matéria-prima até a saída do produto final, deve ser o próximo passo da parceria.

 

Na indústria 4.0, os sistemas monitoram os processos físicos, criam uma replicação virtual e tomam decisões descentralizadas com base nos dados levantados pelos computadores, possibilitando a identificação e resolução de erros de forma mais rápida e assertiva.

Assim, a Bosch - líder mundial em soluções 4.0 para a indústria farmacêutica e referência do modelo na Europa - desenvolveu um software específico para a indústria farmacêutica, chamado Pharma i 4.0 Solution Platform, um Manufacturing Execution System (MES). O programa será instalado nas máquinas que a EMS já possui, transformando-as em equipamentos mais conectados, seguindo o conceito de fábricas inteligentes.

Além disso, toda a manutenção será informatizada, permitindo o registro dos serviços executados em tempo real, bem como proporcionando maior velocidade e assertividade na análise das causas das falhas e solução dos problemas.

 

"As soluções Bosch para a Indústria 4.0 foram customizadas para atender às necessidades específicas da EMS, fornecendo transparência para todos os processos e dados essenciais das máquinas, a fim de contribuir para que a empresa mantenha uma alta performance de seus equipamentos e tome decisões em tempo real baseadas em fatos concretos", explica o diretor da divisão Pharma da Robert Bosch América Latina, Volker Melges.

Vale lembrar que o cenário proporcionado pela Indústria 4.0 faz com que o trabalho, que antes era operacional, passe a ser, cada vez mais, automatizado, sendo controlado por inteligência artificial. Nesse contexto, o colaborador passa a assumir um papel mais estratégico, agindo como analista dos dados levantados pelos computadores, podendo tomar algumas decisões com base nas informações coletadas. "A ideia é que esse novo sistema seja aprimorado e continue evoluindo e que, no futuro, todas as nossas plantas fabris possam otimizar cada vez mais seus recursos, produzindo de maneira mais inteligente e eficiente", diz o vice-presidente de operações da SEM, Tobias Henzel.

Outras facetas do mesmo tema           

O mercado farmacêutico mundial movimenta mais de US$ 1 trilhão por ano e o setor sofre com alto grau de falsificações. Segundo a Organização Mundial de Saúde (World Health Organization - WHO) e o Center for Medicine in the Public Interest, os medicamentos falsificados representam até 10% do total no mundo.

Fazendo parte da Indústria 4.0, os sistemas e mecanismos necessários para a implantação da rastreabilidade no Brasil são uma inovação de processos em toda a cadeia da indústria farmacêutica, e isso resultará em transformações positivas em termos de eficiência da gestão e, sobretudo, de segurança para o consumidor, evitando falsificações e o comércio clandestino.

 

A rastreabilidade necessita de um código de barras bidimensional, cuja tecnologia prevê a captura e o armazenamento de eventos necessários ao rastreamento de medicamentos. O padrão de código é o DataMatrix, especificado na norma ISO/IEC 16.022/2006. O detentor do registro de medicamentos é o responsável pela gestão dos dados que compõem o Identificador Único de Medicamentos (IUM).

O maior controle sobre a origem do medicamento também pode ajudar a combater falsificação e roubos de carga. Segundo dados da Gerência-Geral de Inspeção e

 

Fiscalização Sanitária da Anvisa, até maio em 2018 foram registrados mais de 2.407 roubos, furtos ou extravios de medicamentos no Brasil. Assim, com o código bidimensional impresso na caixa do medicamento é possível consultar sua procedência, além da validade e data de fabricação.

A rastreabilidade no Brasil é quase uma realidade. E a palavra quase foi muito bem empregada, já que o processo está em fase do projeto piloto, que vai até outubro de 2018. Depois disso, a Anvisa dará mais um ano para determinar adequações ou fazer alterações necessárias. Assim, os laboratórios terão ainda mais 36 meses para se adequar às exigências da Anvisa.

 

O presidente executivo do Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos no Estado de São Paulo (Sindusfarma), Nelson Mussolini, acredita que a rastreabilidade de medicamentos está muito próxima de se tornar uma realidade: “Já senti o mercado muito reticente, quando a Anvisa realizou os primeiros pilotos, por volta de 2012. Hoje, a indústria está muito mais conscientizada, e 100% do setor estão aderindo à ideia. A rastreabilidade está presente no mundo todo e não vejo hipótese de não nos adequarmos por aqui”.

Para saber mais detalhes sobre a rastreabilidade, consulte a matéria completa realizada pela equipe de reportagem do ICTQ, intitulada Qual será o final da novela da rastreabilidade de medicamentos?

O mundo de olho na 4º revolução

 

A mais importante feira de máquinas e sistemas para indústria química, bioquímica e biotecnologia do mundo, chamada ACHEMA, aconteceu em junho, em Frankfurt, na Alemanha. O evento, que ocorre a cada três anos e recebe mais de um milhão de profissionais por dia, foi visitado pela professora do ICTQ, Daniela Silva.

Ela contou que a maior parte dos expositores mundiais visavam soluções focadas na Indústria 4.0. A interface humana será muito reduzida, pois todos os equipamentos são robotizados, otimizando processos e aumentado a produtividade. Por exemplo: o robô pega o comprimido e o coloca no blister, a máquina faz o encartuchamento, o robô apanha os cartuchos e os coloca na embalagem terciária, que já é encaminhada para a paletização, e assim por diante.

 

Daniela contou sobre um sistema de monitoramento de temperatura e umidade de depósitos e salas e equipamentos de câmaras frias via wireless, com validação de sistemas conforme a regulação 21 CFR part 11, do FDA, com precisão de 0,1 graus Celsius para temperatura, o que dá maior confiança no processo. O que há atualmente é uma precisão de 0,3 graus Celsius. “A logística das empresas está sendo automatizada, com depósitos com sistemas de WMS - tudo com código de rastreabilidade”, lembrou ela.

Varejo também experimenta o futuro

 

A rastreabilidade, depois de implementada no setor industrial, causará seus impactos também na distribuição e no varejo farmacêutico, o que exigirá soluções e sistemas avançados de todos os elos da corrente no Brasil.

No entanto, outros avanços já são realidade na terra de nossos patrícios, e que não tardarão a chegar por aqui. É o caso de muitas farmácias de Portugal, cuja dispensação de medicamentos é automatizada. Para entender um pouco o sistema, vale citar que, em uma farmácia, um robô pega o item solicitado e o coloca em uma esteira ou escorregador. E o medicamento chega ao balcão, nas mãos do farmacêutico. O mesmo sistema envia, no caso dos psicotrópicos que são controlados, as informações de venda para a Infarmed (é a Anvisa de Portugal). Lá, nem se sonha em fazer manualmente a escrituração e envio de informações desses medicamentos.

 

A automação nas farmácias portuguesas permite maior controle do estoque e da administração de medicamentos aos pacientes e ainda reduz gastos. Por exemplo, os dispensários eletrônicos armazenam medicamentos monitorados por um controle computadorizado. Para acessar o equipamento, deve ser feita a leitura biométrica do profissional, que só consegue retirar medicamentos prescritos para o paciente internado e no horário de administração. 

 

O diretor da Farmácia Azevedos, em Lisboa (Portugal), Hugo Portela, conta que a sua rede de farmácias é totalmente automatizada. Ele ressalta as vantagens na adoção da automação, principalmente com relação à organização do espaço e o tempo da atenção farmacêutica dispensada ao paciente. “Com a gestão automatizada na farmácia, os nossos atendimentos ficam mais rápidos e com maior foco no paciente. Porque solicitamos todos os pedidos ao robô e, com isso, não precisamos sair do balcão para procurar medicamentos, sendo assim, podemos adiantar o atendimento, tirar dúvidas e orientar os pacientes”.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo