Pesquisadores descobrem ligação entre alérgenos em carne vermelha e doença cardíaca


Uma equipe de pesquisadores diz que vinculou a sensibilidade a um alérgeno na carne vermelha ao acúmulo de placas nas artérias do coração. Embora os altos níveis de gordura saturada na carne vermelha sejam conhecidos há muito tempo por contribuir com doenças cardíacas para as pessoas em geral, a nova descoberta sugere que um subgrupo da população pode estar sob risco elevado por um motivo diferente - um alérgeno alimentar. O estudo, que é apoiado pelo Instituto Nacional do Coração, Pulmão e Sangue, parte dos Institutos Nacionais de Saúde, aparece em Arteriosclerose, Trombose e Biologia Vascular (ATVB), uma revista peer-reviewed da American Heart Association. "Este novo achado de um pequeno grupo de indivíduos da Virgínia levanta a possibilidade intrigante de que a alergia à carne vermelha possa ser um fator pouco reconhecido na doença cardíaca", disse a líder do estudo, Coleen McNamara, professora de medicina no Centro de Pesquisa Cardiovascular do Universidade de Virginia Health System, Charlottesville. "Estas descobertas preliminares ressaltam a necessidade de mais estudos clínicos em populações maiores de diversas regiões geográficas e trabalho laboratorial adicional". O número de pessoas com alergias à carne vermelha nos Estados Unidos não é claro, mas os pesquisadores estimam que pode ser 1 por cento da população em algumas áreas. O número de pessoas que desenvolvem anticorpos sangüíneos para o alérgeno da carne vermelha sem ter sintomas completos é muito maior - até 20% da população em algumas áreas, dizem os pesquisadores. Somente nos últimos anos os cientistas identificaram o principal alérgeno na carne vermelha, chamado galactose-α-1,3-galactose, ou alfa-Gal, um tipo de açúcar complexo. Eles também descobriram que um carrapato - o carrapato da estrela solitária - sensibiliza as pessoas para este alérgeno quando as morde. É por isso que as alergias à carne vermelha tendem a ser mais comuns onde esses carrapatos são mais comuns, como o sudeste dos Estados Unidos, mas também se estendem a outras áreas, incluindo Long Island, Nova York. Pesquisadores suspeitam há algum tempo que os alérgenos podem desencadear certas alterações imunológicas que podem estar associadas ao acúmulo de placas e bloqueios nas artérias, mas ninguém identificou uma substância específica responsável por esse efeito. No presente estudo, os pesquisadores mostraram pela primeira vez que um marcador específico de sangue para alergia à carne vermelha estava associado a níveis mais elevados de placa arterial, ou depósitos de gordura no revestimento interno das artérias. O marcador sanguíneo identificado é um tipo de anticorpo (imunoglobulina ou IgE) específico para o alérgeno alfa-Gal. Para identificar esse marcador sanguíneo, os pesquisadores analisaram amostras de sangue de 118 adultos e detectaram anticorpos para alfa-Gal, indicando sensibilidade à carne vermelha, em 26% deles. Usando um procedimento de imagem, os pesquisadores descobriram que a quantidade de placa era 30% maior nos pacientes sensibilizados com alfa-Gal do que nos pacientes não sensibilizados. Estas placas, uma característica da aterosclerose (endurecimento das artérias), também tendem a ser mais instáveis ​​estruturalmente, o que significa que elas têm uma probabilidade aumentada de causar ataque cardíaco e derrame. A evidência de uma ligação entre alérgenos da carne vermelha e doença arterial coronariana ainda é preliminar, observaram os pesquisadores, então eles planejam conduzir estudos detalhados em animais e humanos para confirmar suas descobertas iniciais. Atualmente, o único tratamento para a alergia à carne vermelha, uma vez diagnosticada, é evitar estritamente a carne vermelha. "Enquanto mais estudos são necessários, o trabalho atual fornece uma nova abordagem potencial ou alvo para prevenir ou tratar doenças cardíacas em um subgrupo de pessoas que são sensibilizadas para a carne vermelha", disse Ahmed Hasan, MD, Ph.D., um oficial médico e diretor do programa no ramo de aterotrombose e doença arterial coronariana do NHLBI. Por enquanto, os consumidores são encorajados a seguir as recomendações atuais para um estilo de vida saudável para o coração. Isso inclui a adaptação de uma dieta saudável, como a ingestão de muitos vegetais, frutas, grãos integrais e outros alimentos saudáveis ​​para o coração. Carnes vermelhas magras podem fazer parte de uma dieta saudável para aqueles que não são alérgicos. Outras mudanças no estilo de vida saudável para o coração incluem também a busca por um peso saudável, controle do estresse, aumento da atividade física e interrupção do tabagismo.

Jeffrey M Wilson, Anh T Nguyen, Alexander J Schuyler, Scott P Commins, Angela M Taylor, Thomas AE Platts-Mills, Coleen A McNamara. IgE to the Mammalian Oligosaccharide Galactose-α-1,3-Galactose Is Associated With Increased Atheroma Volume and Plaques With Unstable Characteristics Arteriosclerosis, Thrombosis, and Vascular Biology. 2018. doi:

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

Rua Frei Manoel da Ressurreição, 1488 Sala 13 - Vila Nova, Campinas - SP, 13073-221

Tel: +55 (19) 3243-3610   +55 (19) 3243-3732 

contato@rigorautomacao.com.br

Horário de funcionamento: Segunda a Sexta das 8h as 12h e das 13h as 17:30h