Estes são os tipos de “sujeira” que a Anvisa permite em alimentos

September 19, 2017

 

Desde 2014, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) estabelece alguns requisitos mínimos para a quantidade de “sujeira” tolerada em alimentos e bebidas. 

 

A regulação da Anvisa não atinge a produção de carnes porque segundo a própria agência não é sua responsabilidade fiscalizar esse tipo de fabricação.

No caso de outros alimentos, por exemplo, é permitido 1,5% de areia ou cinzas insolúveis em ácido no produto. Em alimentos que contenham mais do que isso, o lote é vetado e a empresa ainda pode ser interditada e obrigada a pagar uma multa que varia entre R$ 2 mil e R$ 1,5 milhão.

 

A Anvisa também tolera diversas “matérias estranhas” em produtos como molhos de tomate, chás, biscoitos e achocolatados. Entre elas, estão insetos, roedores, excrementos de animais, areia e fungos, aceitos dentro de certas limitações. Até a agência definir esses parâmetros em 2014, não havia regulamentação para os limites de tolerância.

Veja, no infográfico, alguns exemplos de “sujeiras” permitidas nos alimentos e bebidas.

 

Produtos de tomate

- 1 fragmento de pelo de roedor em 100g  
- 10 fragmentos de insetos (como baratas e moscas) em 100g 

 

Chá de menta ou hortelã 

- 300 fragmentos de insetos em 25g
- 5 insetos inteiros mortos em 25g
- 2 fragmentos de pelos de roedor em 25g

 

Oregano

- 20 fragmentos de insetos em 10g
- 3% de areia ou cinzas insolúveis em ácido

 

Café torrado e moído

- 60 fragmentos de insetos para cada 25g

 

Massas e biscoitos

- 225 fragmentos de insetos para cada 225g

 

Canela em pó

- 100 fragmentos de insetos a cada 50g
- 1 fragmento de pelo de roedor em 50g

 

Alimentos em geral

- 1,5% de areia ou cinzas insolúveis em ácido

 

Fonte: Anvisa

Apuração: Valéria Bretas 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload